Wednesday, 15 November 2017

I am a native foreigner


Foi esta a minha apresentação ontem na conferência anual do ICOM Europa, que teve lugar em Bolonha. O tema da conferência era "The role of local and regional museums in the building of a People's Europe". Ler mais

Tuesday, 31 October 2017

A pessoa que precisamos de ouvir

Grada Kilomba, The Kosmos 2 (Detail) © Esra Rotthoff, courtesy of Maxim Gorki Theatre. (imagem retirada do website Contemporary And)

Há umas semanas, apareceu no Público um artigo intitulado Grada Kilomba é a artista que Portugal precisa de ouvir
. Até lá, nunca tinha ouvido falar de Grada Kilomba. Na semana que passou, foram inauguradas duas exposições da artista em Lisboa, aparentemente as primeiras na sua terra natal, apesar de Grada Kilomba já ter uma carreira intensa no estrangeiro. Um facto “perversamente coerente”, como dizia o Público, porque “entrar no trabalho de Grada Kilomba – nas suas instalações de vídeo e som, nas suas performances, nas suas leituras encenadas, nos seus textos – é ter de lidar com a história violenta do colonialismo e pós-colonialismo, história na qual Portugal está profundamente entranhado mas que teima em fingir que não é nada com ele.”

Sunday, 1 October 2017

Quatro Breves Histórias sobre Tecnologia e Inovação


A minha apresentação, em representação da Acesso Cultura, no seminário "Turismo e património cultural: tecnologia e inovação", organizado pelo Pporto dos Museus nos dias 28 e 29 de Setembro no Museu da Farmácia em Lisboa. A ler aqui.

Tuesday, 12 September 2017

Isto é também meu!


Eden Condoms, Esther Pi & Timo Waag, Espanha. Candidato ao prémios Rijksstudio 2017 (fonte: Rijksmuseum website)

As pessoas devem poder usar imagens de coleções de museus em bolos de aniversário, ténis, preservativos ou papel higiénico? Quem protegerá a dignidade dos objetos desse 'assalto'? E a receita que os museus perdem ao não cobrar pelo uso das imagens?

O meu post no blog do CIDOC - International Committee for Documentation sobre as questões levantadas pelas políticas de acesso aberto. Ler aqui

Monday, 11 September 2017

Uma questão de relevância

A capa de Story, Agosto 2017.

O meu artigo "A question of relevance" foi publicado em Agosto 2017 em Story, a revista do Queensland Performing Arts Centre, integrada na sua estratégia de educação e editada por Rebecca Lamoin. Nesta edição, procura-se olhar para o conceito de resistência no sector cultural a partir de múltiplos pontos de vista e a propósito da programação Jul - Dez do QPAC. Ler aqui

Wednesday, 21 June 2017

Uma tragédia nacional: o que é que "a Cultura" tem a ver com ela?


No Domingo de manhã as notícias ultrapassavam o pior pesadelo. O grande incêndio na zona de Pedrógão Grande tinha tirado a vida a 19 pessoas. Ao longo do dia, este número foi subindo. O país estava em estado de choque.

O Teatro Maria Matos em Lisboa foi dos primeiros a reagir. Não se limitou a anunciar o cancelamento do espectáculo naquele dia, no seguimento da decretação de luto nacional, mas informou os seus seguidores no Facebook sobre possíveis formas de ajudar e foi actualizando esta informação. Manteve-se solidário e envolvido.

Saturday, 17 June 2017

O que está a acontecer ao Museu dos Transportes e Comunicações?

Museu dos Transportes e Comunicações, exposição "O Automóvel no Espaço e no Tempo", 2015 (Foto: Maria Vlachou)
Esta semana, estive no Museu dos Transportes e Comunicações no Porto para um workshop na pré-conferência do ECSITE (a rede europeia de centros e museus de ciência). Gosto de regressar ao espaço da Alfândega, tenho boas memórias, como visitante e como profissional. Há dois anos, tinha lá estado numa conferência da Associação Internacional de Museus de Transportes e Comunicações, que muito me marcou, e aproveitei para revisitar a exposição do automóvel (“O Automóvel no Espaço e no Tempo”) e para conhecer a exposição “Comunicar”.

Thursday, 15 June 2017

Porquê nós?! Então, quem?


A minha apresentação ontem no workshop do ECSITE "Social inclusion and diversity – from goodwill to institutional change". Aqui

Sunday, 4 June 2017

Ressonâncias


É sempre um prazer e uma inspiração ler os posts de Nina Simon. Mas os que eu sempre gostei mais foram aqueles em que Nina partilha as suas aprendizagens pelo facto de ocupar um lugar de responsabilidade, como Year One as a Museum Director… Survived! ou o mais recente Why We Moved the Abbott Square Opening -  A Mistake, a Tough Call and a Pivot.

Estamos todos muito habituados a directores de museus - ou outras pessoas que ocupam lugares com responsabilidade de liderança no nosso sector - disponíveis para falar de finais felizes. Raramente do processo, nunca das falhas. Mesmo quando se sentem forçados a comentar sobre acções e situações que recebem críticas negativas, parece haver sempre uma forma de dar a volta, encontrar justificações, focar detalhes irrelevantes, oferecer verdades alternativas. Qualquer coisa que possa desviar a nossa atenção do que deve ser essencialmente discutido. Qualquer coisa excepto um claro "É verdade, errámos, estamos disponíveis para falar sobre isso."

Tuesday, 4 April 2017

Cobrar ou não cobrar: os dados



Tanto quanto sei, as decisões de cobrar ou não cobrar entrada nos museus nacionais nunca se baseiam em estudos. Aqueles que defendem a entrada livre fazem-no em nome da "democratização" e da "acessibilidade" e afirmam que a perda de receita não é significativa (nunca mencionando, no entanto, valores concretos). Aqueles que defendem a entrada paga geralmente falam da necessidade de gerar alguma receita.

Embora a pesquisa prévia e a avaliação sumativa não façam parte da nossa prática em Portugal, tal não é o caso noutros países. E mesmo que não tenhamos os nossos dados específicos sobre estas matérias, podemos sempre aprender com a experiência e o conhecimento partilhado dos outros.

Thursday, 9 March 2017

Friday, 10 February 2017

E se fosse aqui?

A Harvard Books criou uma secção especial nas suas prateleiras em resposta à referência de uma porta-voz do Donald Trump a um massacre que nunca aconteceu (imagem retirada do Instagram da Harvard Books)
Devo admitir que é com grande emoção e admiração que vejo as organizações culturais americanas a tomar posição e a criticar as políticas de seu Presidente. Alguns reagem de forma mais suave, outros assumem um tom bastante mais afirmativo e franco (vejam aqui). É uma grande lição para todos nós e, muito provavelmente, a prova de que as organizações culturais são tudo menos neutras, são, na verdade, inevitavelmente políticas.

Saturday, 4 February 2017

À procura de terreno arenoso


“Menores de 30 têm acesso gratuito aos museus”, lê-se nos jornais portugueses. A medida foi ontem votada no parlamento.

Alguém me explica qual é a lógica dos 30 anos?”, questiona uma colega brasileira.

“Será para estimular jovens famílias, tipo casais com filhos pequenos?”, responde outra colega. “Será porque se constatou que o desemprego é maior até aos 30 anos?”

Valerá a pena procurarmos a lógica? Terá havido lógica? Será que a medida se baseou em qualquer relatório de gestão? Será que se baseou em algum estudo de públicos? Os profissionais do sector foram consultados? Existem objectivos concretos que daqui a um ou dois anos poderão ser avaliados?